domingo, fevereiro 07, 2010

24334

Escondem-se nas sombras rapineiros
Que tanto destruindo deixam caos
Aonde se pudesse por as naus
De dias mais felizes, corriqueiros,

Esgueiram-se deveras nos banheiros
Brincando com miúdos, brochas paus
Sonhando com diversos bacalhaus,
Escusos estes pobres punheteiros.

Pudessem ter a sorte de um orgasmo
Que possa com outrem compartilhar
Teriam outra forma de brincar

A dor que se expressando em face alheia
Enquanto à velha corja ora incendeia
Sozinhos, contraídos num espasmo...